“Território, Geocaching e Turismo”

No passado dia 15 de abril teve lugar na sala de convívio da ETPS a conferência “Território, Geocaching e Turismo”, inserida na PAP dos alunos Fábio Matias e Vítor Monteiro, do 12º ano, do Curso Profissional de Técnico de Turismo Ambiental e Rural.
A Conferência contou com a presença da Vereadora da Educação, Dr.ª. Cláudia André, do Professor Doutor João Luís Fernandes, Professor do Departamento de Geografia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e do Sr. António Pascoal, geocacher, natural e residente em Celorico de Basto, sob moderação de Ana Maria Cortez Vaz, docente de Geografia na ETPS, e professora acompanhante da PAP juntamente com o docente Jorge Santos.
O Geocaching define-se como uma atividade praticada ao ar livre, com o objetivo de encontrar uma cache, é um exercício de procura de um ‘tesouro’ (que neste caso é uma cache).
O Geocaching surgiu nos Estados Unidos da América em 2000, data em que o sinal de GPS foi libertado do âmbito militar para o civil.
Na sua intervenção, o Professor João Luís salientou que o país está mais ‘pequeno’, mais ‘comprimido’, demoramos menos tempo a ir do lugar A para o lugar B, mas há todo um país que é esquecido, e o geocaching ajuda a parar, ajuda a descobrir.
De facto, o geocaching funciona como uma excelente ferramenta de marketing territorial, na medida em que dá a conhecer locais e os ‘coloca’ no mapa.
Outro facto importante no geocaching é que cada cache apresenta-se ao geocacher com referências à história do lugar, havendo deste modo uma análise do conteúdo da paisagem.
O geocaching é assim uma união entre lazer, turismo, viagem e também criatividade (na escolha dos locais).
O Professor João Luís referiu ainda o exemplo dos travelbugs, que são objetos presentes nas caches que os geocachers podem movimentar, possibilitando deste modo traçar o itinerário dos mesmos, através de mapas, recorrendo a ferramentas dos Sistemas de Informação Geográfica.
Por último, o Professor João Luís salientou a importância do turismo criativo, onde mais do que valorizar o produto, considera-se a experiência, englobando-se aqui o Geocaching.
A segunda intervenção, da autoria do Sr. António Pascoal pretendia a partilha de experiências e vivências do Geocaching.
De facto, em Portugal o número de caches e de geocachers tem vindo a aumentar. Veja-se o exemplo das caches: em 2011 estavam registadas 18000 e em 2015 (até abril) esse número aumentou para 47936.
A intervenção do Sr. António Pascoal ficou marcada pelas suas histórias e aventuras enquanto geocacher, que em muito entusiasmaram a audiência presente.

Depois de ler estas linhas ficou curioso em relação ao geocaching? Quer experimentar viver novas aventuras, conhecer novos locais e observar novas paisagens?
Então, para iniciar a prática do Geocaching são necessários apenas 3 passos:
1- Criar uma conta (gratuita) no site www.geocaching.com;
2- Encontrar uma cache (com recurso a GPS, bússola e/ou mapas);
3- Registar no site a descoberta e partilhar a experiência.
No entanto, não se esqueça das boas práticas: as caches devem ser deixadas no mesmo local e respeite o ambiente.
Boas caches e boas experiências!

 


                      Logos

  Copyright © 2012 ETPS-Escola Profissional da Sertã. Todos os direitos reservados.